Até o último fio loiro: a colonização da beleza brasileira

Hashtags feministas: para espalhar e refletir

Experiências com o coletor menstrual

Escrito por Coletivo Elas por Elas em 17 de setembro de 2016

O coletor menstrual não é uma invenção nova – ele existe desde a década de 30 –, mas ultimamente tem se popularizado e ganhado cada vez mais adeptas. Ainda assim, o assunto continua sendo meio tabu (como tudo que envolve menstruação e corpo feminino), e muita gente tem dúvidas a respeito.

Mesmo ginecologistas muitas vezes não são bem informados sobre o coletor, então a maneira de saber mais sobre ele acaba sendo pesquisar na internet, ou conversar com outras pessoas que já usem, para tirar as dúvidas. Como em nosso grupo do coletivo no Facebook esse assunto aparece volta e meia, resolvi reunir aqui algumas dicas a respeito do coletor menstrual que já foram discutidas por lá:

– Há diferentes tamanhos de coletores disponíveis. Geralmente são baseados na idade (mais ou menos de 30 anos) ou se você já teve filhos ou não

– Existem vários tipos de dobras possíveis que você pode fazer para inserir o coletor menstrual na vagina. Não há uma unanimidade quanto à melhor opção, mas você pode conhecer algumas delas em diferentes vídeos disponíveis no Youtube, como esse aqui

– Na hora de colocar o coletor, empurre-o para trás, e não para cima (diferente do absorvente interno)

– Após ser inserido, o coletor deve abrir dentro da vagina e “criar um vácuo”. No começo, demora um pouquinho pra pegar o jeito de inserir corretamente

– Para retirar o coletor, é preciso empurrar a parede dele para “quebrar o vácuo”, senão ele não sai (ou até sai, mas pode te machucar)

– Geralmente, os coletores vêm com um cabinho que é para ajudar a facilitar na retirada, mas pode incomodar um pouco. Muita gente acaba cortando-o fora, mas é bom primeiro criar confiança de que você consegue tirar o coletor sem precisar da ajuda dele

– Depois que você se habitua a usar o coletor e consegue inseri-lo corretamente, dá para fazer atividades físicas normalmente, sem o medo dele sair do lugar ou vazar

– Um problema pra quem trabalha / estuda fora: às vezes você precisa trocar o coletor quando está fora de casa, e nem sempre tem um banheiro privativo disponível, para poder lavar a mão após fazer a troca, sem outras pessoas no recinto. Uma saída é levar lencinhos umedecidos na bolsa pra ajudar a dar uma limpada na mão nesse momento

E tem vários grupos no Facebook exclusivos para se discutir questões referentes aos coletores menstruais (como o Coletores Brasil). Tudo para ajudar quem quer se aventura no mundo dos copinhos!

Texto e edição da coluna: Andrea Mayumi

postado por

Elas por Elas é um coletivo feminista de Curitiba. Somos um espaço de debate e apoio às mulheres. Nossos valores são sororidade, empoderamento, respeito e empatia.
Mais Feminismo

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.


*

Ins
ta
gram