Como posso colocar o consumo consciente na prática?

5 séries com protagonistas mulheres para você assistir já

No dia das eleições, para quem está indo o seu voto?

Escrito por Colaboradores em 1 de outubro de 2016

Por Thiago Panegace 

Estamos prestes a eleger os próximos prefeitos e vereadores em nossas cidades.  É preciso lembrar que existem diferenças muito importantes entre tais cargos. Um destes é majoritário, como de prefeito, presidente ou governadores.  Enquanto o outro é proporcional, os de vereadores e deputados. Isso muda completamente a forma de contagem de votos.

Muitos de nós depositamos nosso voto pensando somente na figura do vereador. Deixando de lado o partido e a coligação que ele está filiado. Por mais que as propostas do seu candidato contemplem os seus anseios, o modo para eleger os vereadores –  como também deputados estaduais e federais -, é através do sistema proporcional de lista aberta. Ou seja, uma contagem que prioriza o partido político e não propriamente o candidato. Isso requer de você mais do que uma análise individual dos candidatos.

É comum entre os partidos formarem alianças, se unindo em coligações, para garantir presença no Legislativo. Ou mesmo, com a promessa de cargos em ministérios e secretarias.

O voto é proporcional

O sistema eleitoral proporcional demanda que o partido atinja quociente eleitoral.  Isto é o número de votos válidos, dividido pelo número de vagas na câmara, para assim conquistar uma vaga na câmara. Por isso, o seu voto é computado primeiramente ao partido-coligação. Somente depois da divisão das cadeiras da câmara de modo proporcional aos partidos-coligações mais votados é que entram os candidatos com mais votos de cada partido. Isso significa que o sistema visa eleger os partidos políticos e não a figura individual do político.

Portanto, mesmo seu candidato sendo feminista, sustentável, inovador ou qualquer outro posicionamento que lhe interesse, caso ele faça parte de um conglomerado você pode estar depositando seu voto em algo contrário ao que você acredita. No fim da história, é bem possível que seu candidato não ocupe uma cadeira na Câmara. Mas sim outro participante daquele grupo.

Atente que os dois primeiros dígitos do número do candidato se referem ao partido. O político não está descolado dele. Por mais que os diversos partidos políticos estejam manchados devido envolvimento em casos de corrupção, existem outros que conseguem passar incólume por tais acontecimentos. Ficará a você o encargo de pesquisar a história do partido. Também as propostas por ele determinadas, os seus ideais, as suas ações concretas no passado recente. De modo que o partido e os políticos que o compõem te representem verdadeiramente.

postado por

O Indumentária compartilha conteúdo criado por colaboradores. São textos de diversas categorias criados por gente interessante e que tem o que dizer. Quer ser um colaborador? Manda um e-mail pra gente.
Mais Cultura

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.


*

Ins
ta
gram